Quarta-feira, 26 de setembro de 2018 (HealthDay News) – Exercícios de dois minutos em sala de aula podem ajudar as crianças em idade escolar a atingir metas de atividade física sem interromper o aprendizado, sugere uma nova pesquisa.

Pesquisadores da Universidade de Michigan afirmam que curtos períodos de atividade na sala de aula podem reduzir as taxas de obesidade na infância, ao mesmo tempo em que as escolas primárias proporcionam 30 minutos de exercício diário para os alunos.

"O que estamos mostrando é que podemos dar às crianças mais 16 minutos de atividade física para melhorar a saúde", disse a principal pesquisadora, Rebecca Hasson, professora associada de cinesiologia e ciências nutricionais.

As crianças nos Estados Unidos devem fazer pelo menos uma hora de exercício por dia, incluindo 30 minutos de atividade física durante o horário escolar, explicaram os autores do estudo. A maioria não alcança esse objetivo diário.

"Muitas crianças não têm educação física todos os dias, mas podem ter recesso, e se conseguirem mais 10 minutos de atividade, isso atenderia a essa exigência escolar", disse Hasson em um comunicado à imprensa da universidade. "Isso não substitui o PE, é um suplemento. Estamos tentando criar uma cultura de saúde durante todo o dia letivo, não apenas na academia."

Os pesquisadores conduziram cinco estudos para analisar o efeito das quebras de atividade no humor, no pensamento, no apetite e na atividade física geral de 39 crianças.

Em um ambiente de laboratório, crianças entre 7 e 11 anos concluíram uma série de experimentos, incluindo oito horas de sessão interrompidas com interrupções de atividade de baixa, moderada ou alta intensidade em dois minutos. Os pesquisadores também testaram o efeito de intervalos de tempo de tela sedentários de dois minutos.

O estudo mostrou que, quando recebiam interrupções de atividades de alta intensidade, as crianças queimavam mais 150 calorias por dia e não comiam demais para compensar o aumento da atividade física.

Os intervalos de tempo na tela provocaram uma melhora mais notável no humor dos alunos, mas ambos os tipos de interrupções resultaram em bom humor. As crianças também classificaram as quebras de atividade como mais divertidas do que o tempo de tela.

As quebras de atividade também tiveram um efeito positivo prolongado no humor de estudantes com sobrepeso ou obesidade, observaram os autores do estudo. Isso pode significar que eles receberam mais gratificação desse exercício extra.

Os pesquisadores também disseram que tirar tempo para o movimento não alterou o desempenho da turma.

"Os professores estavam preocupados que isso tornasse as crianças mais confusas, mas 99% das crianças estavam de volta à tarefa dentro de 30 segundos após os intervalos de atividades", disse Hasson. "Nós até tivemos uma professora que fez uma atividade quebrar no meio de um exame de matemática – ela percebeu o benefício de levantá-los e se mover."

Posts Relacionados:

Frango com salada de aipo e cenouras

descrição, dicas e dieta saudável.

O filme 'Black Widow' de Scarlett Johansson autônomo se move para a frente

The Truth About The Playmate: Karen McDougal ‘Free To Speak’ About Affair With Prez

 3 maneiras de viver uma vida feliz e saudável

Curso Fórmula Negócio Online

16 coisas que conhecemos sobre o conto da serva temporada 2

4 dicas para criar crianças bem comportadas

Os médicos dizem para parar de usar papel higiênico